Roubo de Cargas e a firma do crime no Brasil

O roubo de cargas no Brasil chega dar prejuízo anual de aproximadamente 900 milhões de reais, e o estado de São Paulo concentra metade das vitimas desses roubos.

As quadrilhas especializadas neste crime tem preferência pelas cargas de eletroeletrônicos, produtos alimentícios e cigarros, sendo que esses produtos além de fácil comercialização são muito lucrativos aos criminosos.

Geralmente essas quadrilhas são oriundas de facções criminosas, e seus integrantes são traficantes de entorpecentes, que após a venda dos produtos roubados aplicam o dinheiro na compra de drogas, como cocaína, maconha e crack entre outros.

Desta forma, os marginais conseguem triplicar o valor que primeiramente foi empregado na compra das drogas, e que consequentemente será usado na compra e venda de armamentos de grosso calibre, contratação de advogados, fugas de presídios, pagamento de estadias em hotéis para observarem de perto novas vitimas…e por ai vai!

Alguns fatos mostram o profissionalismo dessas quadrilhas, em 2009 levaram de uma empresa de valores na capital paulista cerca de 10 milhões de reais, primeiramente compraram uma casa próximo ao local que iriam assaltar pelo valor de 140 mil reais, e durante alguns meses trabalharam tranquilos sem levantar suspeita alguma dos vizinhos. No final de semana programado para executarem o crime, tudo correu como planejaram, pois levaram todo o dinheiro que havia na empresa, e no inicio da segunda-feira ao ser constatado o furto já estavam longe.

Roubo de cargas no Brasil

carga roubada

Isso sem falarmos no furto ao Banco Central em 2005, onde foram levados 164 milhões de reais, sem que ninguém visse ou ouvisse qualquer situação fora do normal nas proximidades do banco, sem que um tiro fosse disparado. Fato que deixou a policia federal em choque logo que souberam a maneira que o dinheiro foi levado, mas o pior era saber quem seriam os autores do crime, e mais uma vez chegou-se a uma facção organizada de São Paulo, onde seus mentores do crime idealizaram e executaram com muita sabedoria e perspicácia. Vale dizer que menos da metade do valor furtado foi recuperado.

A rentabilidade dos roubos de cargas, somados aos roubos e furtos a bancos no Brasil alcançam cifras bilionárias aos criminosos, mas ao final quem tem que prestar contas com essas empresas é o cidadão brasileiro, que é obrigado arcar com todo o prejuízo gerado pelas quadrilhas, onde os custos causados pelo roubo de cargas acabam sendo repassados para o preço final dos produtos que compramos nas lojas.

Di Menor

"Di Menor" (ex-interno de instituições para menores infratores) - Por favor. Deixe-nos um comentário abaixo sobre o artigo que acabou de ler.